AFLIÇÕES / FRAÇÕES / FRICÇÕES / FICCIONAIS


Glauco G.


O fim é a própria continuação

1

Dos muitos fins do mundo que já vimos este parece ser o que mais vai durar.


2

A globalização assumiu sua forma mais sofisticada: cada casa carrega o mundo inteiro, o mundo inteiro trancado em casa.


3

Isolados mas conectados.


4

A tela se torna o lugar mais concreto para estar junto.


5

A economia subestimou a natureza.


6

O tédio inviabiliza a preguiça.


7

A solidão era mais confortável em conjunto, nos lugares públicos.


8

O que sobrou da cidade foi a sala e a cozinha.


9

Quem não tem casa nunca foi gente.


10

O dinheiro não é real, mas quem não tem morre.


11

A exceção é a última instância da normalidade.

Não haverá retorno à semana passada.


12

Alguém sempre ganha quando o outro morre.



Realidade de exceção permanente

/micro conto, n.1


O menino de 4 anos pergunta pra mãe o que é abraço.

A mãe explica que há cinco anos atrás quando as pessoas se gostavam elas se abraçavam.

O menino gargalhou e disse: "vou poder abraçar alguém um dia?"

E a mãe responde: "assim que a vacina da Bayer estiver a venda e a gente conseguir dinheiro pra comprar".



Uma época que é um prazo

/micro conto n.2


Na sala virtual a professora de história explica que antes existia algo que chamávamos futuro. Ela reservará uma aula toda para este tema tão abstrato, de um passado tão remoto.

Explica aos alunos que antes os calendários eram anuais, e não quinzenais.

Escreve na lousa (que é uma tela dentro da tela): 365 dias era igual a um ano.

E que para cada cem anos dávamos o nome de século.

A única exceção foi o século XXI, que durou só vinte anos.



Domínio do domingo

/micro conto n.3


Durante a décima quarta quarentena o Ministério de combate ao tédio instalou travas inteligentes nas portas de todas as casas.

Toca o sino musical. A porta destrava.

É hora do passeio semanal de uma hora pela cidade.

Na calçada o menino diz: "pai sabia que antes as cidades eram assim só nos domingos de tarde?"



Cínicos simulacros

micro conto n.4

Hoje minha filha faz doze anos.

Quando ela fez seis, e era o começo disso tudo, eu disse que quando essa situação acabasse nós faríamos a festa no parque que ela tanto gostava.

Aquele, nem nenhum outro, parque não existe mais.

Mas existe um aplicativo que disponibiliza um ambiente virtual daquele parque.

Dá até pra escolher a época que queremos estar -virtualmente- nele.

Hoje finalmente faremos a festa de aniversário de seis anos da minha filha no parque que ela tanto gostava.

Todos vocês estão convidades!